Moema de Victor Meirelles

Victor Meirelles de Lima (18 agosto de 1832 – 22 fevereiro de 1903), filho de imigrantes portugueses, foi criado de maneira humilde na cidade de Nossa Senhora do Desterro em Florianópolis. Seu talento precoce chamou a atenção de seus familiares e de autoridades e em 1845, começou a ter aulas com um professor de desenho geométrico, o engenheiro argentino Mariano Moreno.

Victor Meirelles

Meirelles se especializou em pintura histórica e após ganhar o Prêmio de Viagem ao Exterior da Academia de Arte, passou vários anos estudando na Europa, onde pintou sua obra mais conhecida: A Primeira Missa no Brasil. Ao voltar as nossas terras tupiniquins, se tornou o pintor preferido de D. Pedro II.

Entre sua obras estão a Batalha dos Guararapes, Combate Naval do Riachuello e o retrato de Dom Pedro II. Foi um dos primeiros pintores nacionais a conquistar admiração no salão de Paris. Mas com a mudança de governo Imperial para República, Victor Meirelles caiu no esquecimento, principalmente pela sua ligação com o reinado de D. Pedro II, acabando em condições precárias de vida e também financeira.

Moema

Meirelles pintou Moema em 1866, sem intenção aparente de uma encomenda, somente inspirado pela trágica história da índia, que após ser rejeitada pelo seu amado Caramuru, decide terminar com o seu sofrimento, afundando em águas profundas. Nota rápida: Caramuru é um poema épico escrito pelo autor Santa Rita Durão (1781). Como foi uma inspiração, a obra de Meirelles não retrata exatamente uma cena específica da obra de Santa Rita Durão.

Na composição, o corpo de Moema aparece em primeiro plano, dando uma sensação romântica e triste, confirmando a narrativa que Victor Meirelles criou ao idealizar essa obra. O plano de fundo é preenchido por uma paisagem densa e entre ela há dois grupos de indígenas, isso representa a maturidade como pintor de Victor Meirelles, pois existe uma ligação entre esses elementos e isso faz com que composição seja única e perfeita. O tipo físico de Moema é uma idealização romântica de como deveria ser os índios brasileiros.

Detalhe do rosto de Moema

Apesar da narração contar um final trágico e triste, a posição que está o corpo de Moema transmite ao espectador tranquilidade, porque seu rosto está levemente voltado para o olhar de quem observa a obra, passando a impressão que ela apenas dorme e que agora está em paz.

Meirelles é um pintor da escola romântica, mas Moema mostra claramente que ele teve influências clássicas e barrocas (pelo lado técnico, dá para ver que as linhas da composição são sutis e que sua iluminação é igual por toda a pintura, com suas cores distribuídas de maneira uniforme e harmoniosa).

Você pode ver essa pintura desse grande pintor brasileiro no MASP, localizado na Av. Paulista, 1578, em São Paulo. Ela faz parte do acervo permanente do museu.

Gostou de saber um pouco mais sobre uma grande obra brasileira? Então fique ligado no blog da Pop’s Marketing Cultural. E se precisar de ajuda com a sua produção cultural ou com projetos culturais para sua empresa, é só chamar a Pop’s.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: